A história do Clube divide-se em duas fases:

A primeira, teve início em meados da década de 90, a partir de uma viagem de treinamento, organizada pela FUNENSEG, com um estágio na Universidade de Princeton, New Jersey (EUA).  O grupo era composto de 32 profissionais, dos quais, refletindo a situação do mercado de seguros, apenas quatro eram representantes do sexo feminino.

Por uma conseqüência natural, as mulheres aproximaram-se, e perceberam que, a exemplo dos homens, também tinham muito a trocar de experiência e oportunidades para crescimento profissional umas das outras.  E tornando-se amigas, comprometeram-se em manter a amizade encontrando-se, pelo menos e religiosamente, uma vez a cada mês.   Retornando o grupo ao Brasil, a promessa não somente foi cumprida, mas foi expandida para o que, na época, foi denominado de Clube do Tailleur.  E o grupo, com este nome e objetivo, foi bastante atuante durante um período, não tendo expandido mais a sua atuação em função de vários fatores, entre eles o desligamento de umas das integrantes mais atuantes, que decidiu trocar o stress do mercado e das grandes cidades pela tranqüilidade das noites seresteiras de Conservatória (RJ).

A segunda fase teve início no final da década, quando um outro grupo, também percebendo os benefícios do “networking” entre profissionais, e tomando por modelo o grupo americano de mulheres profissionais de seguros (www.naiw.org), resolveu resgatar as integrantes do Clube do Tailleur.  Para não passar uma imagem de seriedade, o grupo resolveu denominar-se “Clube das Luluzinhas”.

O grupo, que inclui representantes de todos os intervenientes, ou seja, segurados, seguradoras, corretoras, prestadores de serviços e resseguradores, tem tido uma trajetória de crescimento, sendo hoje reconhecido no mercado, não como as mulheres que se reúnem para falar mal dos homens, mas como um grupo composto de profissionais competentes, com relevante atuação nas suas empresas e no mercado.  A natureza de informalidade do grupo permite que cada integrante compareça aos encontros dentro da sua disponibilidade, mas, também, permite que as integrantes colaborem, por e-mail, por telefone, etc., em todos os assuntos que a sua participação possa fazer um diferencial.

Dentre os principais desafios do grupo, encontra-se a conscientização de todas as profissionais atuantes no mercado, de que a participação no grupo, não somente fortalece e cria novos laços de amizade, mas, principalmente, é uma oportunidade única para  desenvolver  o “networking”  cada vez mais necessário e, em decorrência, promover o seu próprio desenvolvimento profissional.

 Login
 Senha
Esqueci minha Senha




19/10/2018
A tecnologia pode nos ajudar a mudar de comportamento?

O tempo todo deixamos de fazer o que é melhor para nós. Não apenas nas decisões de consumo ou poupar dinheiro ou mesmo mais...

19/10/2018
Dólar opera em queda, abaixo de R$ 3,70

O dólar opera em queda nesta sexta-feira (19), após fechar em alta no dia anterior, interrompendo uma sequência de trê mais...

19/10/2018
Restam 2 meses para pedir aposentadoria pela regra 85/95

O trabalhador que pretende se aposentar por tempo de contribuição tem pouco mais de 2 meses para aproveitar as vantage mais...

19/10/2018
Cartão de crédito: um terço dos consumidores não sabe valor da fatura

Segundo pesquisa realiza pela da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédi mais...

19/10/2018
Congresso autoriza reajuste de salário dos agentes de saúde

O Congresso autorizou reajuste de salário dos agentes de saúde. A medida resultará em uma conta de R$ 5 bilhões para o mais...

Página Inicial  .:.   Informações de Publicidade  .:.   Patrocinadores  .:.   Entre em Contato  .:.   Twitter  Facebook  Google+  LinkedIn
© 2004 - 2018 - AMMS - Associação das Mulheres do Mercado de Seguros
Tecnologia EBTI