27/01/2011 - Sandra Blanco     Twitter  Facebook  Google+  LinkedIn
As diferenças entre homens e mulheres na educação, no salário, na saúde e representação na política tem diminuído em países com características comuns como Brasil, Rússia, Índia e China (BRIC) e Bangladesh, Egito, Indonésia, Irã, Coreia do Sul, México, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Turquia e Vietnã, países do N-11, classificados pelo Goldman Sachs como economias promissoras. Com isso, as mulheres ganham mais influência e poder de tomada de decisão dentro das famílias e nos mercados.
Estudos nas economias desenvolvidas mostram evidências de que o poder dentro de uma família depende significativamente do tamanho da renda; sendo a renda média relativa mais importante do que a renda atual. Quem trabalha por conta própria também tem mais poderes.
Um estudo econômico sobre as mulheres foi divulgado pelo Goldman Sachs Global Markets Institute com o título de The Power of the Purse: Gender Equality and Middle-Class Spending. Traduzindo ao pé da letra temos O Poder da Bolsa: Igualdade de Gênero e os Gastos da Classe Média. Mas essa bolsa não é a Bolsa de Valores, refere-se ao acessório feminino básico. Assim sendo, esse trabalho foca a importância da mulher no crescimento econômico e nas mudanças demográficas. O aumento da renda das mulheres sugere que as famílias não só vão gastar mais como vão gastar diferentemente. As taxas de poupança também devem crescer nesses países.
Parece que há grande demanda não atendida entre as mulheres por veículos de investimentos para que ativos da família passem a seu controle. Em países com sistemas bancários limitados, como a Índia, aproximadamente metade da riqueza da família estão em ativos reais como terra, equipamentos e jóias.
As prioridades de gastos das mulheres também são diferentes. Notavelmente somos as responsáveis por comprar os produtos e serviços que melhoram o bem-estar da família. Setores como os de alimentação, cuidados pessoal e limpeza, educação, cuidados infantis, roupas, bens duráveis e serviços financeiros, devem se beneficiar com essas mudanças.
No Brasil, a participação na população economicamente ativa das mulheres com idade para trabalhar (15 a 64 anos) passou de 39% em 1990 para 60% em 2007, crescimento de mais de 50% nesse período. Mas ainda ganhamos apenas 57% do salário dos homens.
No entanto, a igualdade de gêneros não depende apenas de medidas estatísticas. Normas sociais, leis e instituições podem, separada ou conjuntamente, reforçar a desigualdade limitando a atuação das mulheres. Em muitos desses países ainda encontram-se obstáculos legais incluindo herança de leis que favorecem filhos homens, direitos que falham ao proteger a propriedade das mulheres, leis de divórcio que outorgam ao marido a custodia dos bens e dos filhos e restrições formais de acesso ao crédito às mulheres.
O estudo também levantou as empresas com exposição à convergência da renda e a igualdade de gêneros. Das vinte e uma empresas listados na categoria bens duráveis/cuidados pessoais/alimentos, oito são brasileiras: Pão de Açúcar, Drogasil, Hypermarcas, Lojas Renner, Natura, Sadia-Perdigão e também Casas Bahias e Magazine Luiza, que não são empresas de capital aberto.
No setor imobiliário de cinco, duas são brasileiras: BR Malls e Multiplan Empreendimentos Imobiliários. No setor educacional de cinco, uma é brasileira: Kroton Educacional.
No Brasil, as coisas não devem mudar muito ainda nos próximo cinco anos. Mas até 2015 as mulheres decidirão a maior parte das despesas da família. Pelo menos é o que diz o estudo.


Sandra Blanco - Consultora de investimentos autorizada pela CVM e responsável pela área comercial e de atendimento da Personale Consultoria e Gestão de Recursos, com 50 milhões de reais de ativos sob gestão.
Autora dos livros “A Bolsa para Mulheres” da Editora Campus-Elsevier e “Mulher Inteligente Valoriza o Dinheiro” da Editora Qualitymark. É criadora e coordenadora do site www.mulherinvest.com.br , onde mantém uma coluna semanal.
Com mais de dez anos de experiência mercado financeiro nacional e internacional, trabalhou em instituições como Banco Real, Banco Itaú, Merrill Lynch e Banco Garantia e foi representante da Selector Management no Brasil.
Ainda é professora-autora do curso Mercado de Ações da FGV-Online e colaboradora da revista Nova e do site Gloss da Editora Abril. Já foi colaboradora das revistas Você S.A, UMA e Ouse e colunista de Finanças Pessoais na Band News do Rio de Janeiro.
Participou da 4ª Conferencia Anual de Estratégias de Investimentos para Mulheres nos EUA.
Mestranda em Economia é formada em Matemática e fez MBA- Finanças.






12/12/2017 - globo.com
Noruega tem os 3 bilionários mais jovens do mundo
 mais...
12/12/2017 - G1
Copom sinaliza novo corte de juros em fevereiro
 mais...
12/12/2017 - CNC
Balança registrou superávit de US$ 1,03 bilhão nos primeiros dez dias de dezembro
 mais...
12/12/2017 - G1
Meirelles espera votação da reforma na 3ª semana de dezembro
 mais...
Página Inicial  .:.   Informações de Publicidade  .:.   Patrocinadores  .:.   Entre em Contato  .:.   Twitter  Facebook  Google+  LinkedIn
© 2004 - 2017 - Clube das Luluzinhas Executivas de Seguros
Tecnologia EBTI